Nome:  Autor:
 Editora:  ISBN:
 Ano:
GESTÃO DA EXPERIENCIA DO CLIENTE
CORRENTE CRITICA
ESTRATEGIA EMPRESARIAL
GESTÃO DA FORÇA DE VENDAS
03/05 - Dia das Mães
16/11 - Feira de livro em Porto Alegre inspira apaixonados por boas histórias

               No Brasil inteiro, esta terça-feira (2) é dia de fazer só o que cai bem, dia de folga, de ficar à toa. Em Porto Alegre, os gaúchos só querem saber de uma boa história.
               Em tempos de livro digital é ele, o livro de papel e tinta, que mantém o encantamento. "O barato é a chance de folhear o livro mesmo. A chance de manusear o livro, o papel, a leitura tradicional tem um gosto melhor que a leitura digital", conta o desenvolvedor de softwares Diego Fraga Contessa.
               O livro vira assunto para o casal, se transforma no próprio cenário da ficção. Traz até à Praça da Alfândega, no centro da capital gaúcha, milhares de apaixonados por boas histórias. “Eu gosto das histórias e do jeito que os autores contam a história, que é o que faz com que a gente se prenda na história”, afirma Gustavo Varela, de 15 anos.
               A feira que começou na praça, cresceu e chegou até o cais de Porto Alegre, onde a imaginação ganha companhia da paisagem do Guaíba. No cais, antigos armazéns viram espaço para ler o livro novo, em família. Os dois filhos do professor Herme Teixeira gostam de ler bastante: "É legal porque tem muita diversidade de livros, coisas interessantes que eles não tinham visto antes e estão tendo a oportunidade de ver agora", conta o professor.
               Ou - quem sabe? - tomar um chá com o chapeleiro.
               Para o casal de turistas, que veio de Minas Gerais, a feira virou incentivo para o romance. “Essa paisagem inspira, aumenta o amor. Mas ela é o meu incentivo e inspiração maior. Ela que incrementa essa paisagem. O rio é só um detalhe perto dela. A beleza dela é a grandeza maior da minha vida", declara o consultor automotivo Ricardo de Lima.

Fonte: G1.com.br

16/11 - Livro "As Palavras de Saramago" cataloga reflexões pessoais do escritor

             Quatro meses depois da morte do escritor José Saramago, foi lançado nesta segunda-feira o livro "As Palavras de Saramago", que cataloga parte de suas reflexões pessoais, literárias e ideológicas manifestadas através de entrevistas à imprensa entre a década de 70 e março de 2009.A apresentação da obra reuniu hoje no Círculo de Bellas Artes, em Madri, a viúva do Nobel de Literatura de 1998, Pilar del Río; o ensaísta e poeta Fernando Gómez Aguilera, responsável pela seleção dos textos; e Pilar Reyes, diretora da Alfaguara, a editora que publica o livro na Espanha e América Latina.
             A obra, que já foi lançada no Brasil, sairá em breve em Portugal e chegará também aos Estados Unidos.Ao longo de mais de 500 páginas, o leitor encontrará as ideias de Saramago sobre questões como a deterioração da democracia, as desigualdades sociais, o atropelo dos direitos humanos, religião, morte, sua concepção da literatura, entre outras coisas.
Segundo Gómez Aguilera, diretor da Fundação César Manrique, o propósito do livro é oferecer o discurso "de uma mente brilhante, ágil e mordaz, que esteve sempre ligada à realidade de seu tempo". "Sempre digo o que penso. Ninguém poderá dizer nunca que o enganei. As pessoas têm a necessidade de que lhes fale com honestidade." Estas palavras do romancista português, recolhidas no começo do livro, resumem a atitude que manteve ao longo da sua vida.
             Sua sinceridade, no entanto, nem sempre foi bem vista pelos círculos de poder, já que, como disse hoje Gómez Aguilera, Saramago "vigiava o poder com suas afirmações e perguntas". A pedido da fundação, Saramago trabalhou nos últimos meses de sua vida em "uma carta dos deveres humanos". O escritor havia começado também um novo romance, sobre a indústria do armamento. "Com o tempo veremos o que fazer com estes capítulos, mas ainda não há nada decidido", contou Pilar. O romance tinha o título "Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas!", um verso do poeta e dramaturgo Gil Vicente, e começa com uma bomba que caiu em Extremadura durante a Guerra Civil espanhola e não chegou a explodir.
             A bomba ia acompanhada de um papel no qual se lia, em português: "esta bomba não matará ninguém". "Era uma sabotagem de uma empresa de armas", disse Pilar, lembrando que Saramago preocupava-se com todos os que trabalhavam em fábricas de armas.

Fonte: Globo.com

HOME | A CULTURAL STORE | LIVROS | PAPELARIA | BAZAR | CADASTRE-SE | LOCALIZAÇÃO | CONTATO

Av. Unisinos, 950 - Galeria Cultural Unisinos, Cristo Rei, São Leopoldo, CEP 93022-000
2014 - Livraria Cultural - Todos os direitos reservados